.

Empresa: Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio, Indústria e Agricultura de Minas Gerais

Endereço: Rua Piauí, 2019 - Funcionários, Belo Horizonte-MG

Telefone: +55 31 3287-2212

Site: www.italiabrasil.com.br





Culinária e Cinema: como a comida moldou a cultura e a sétima arte italiana


A combinação entre cozinha e filmes ajudou a moldar a Itália que o mundo conhece hoje

12/04/19

A comida é uma das partes mais importantes da cultura italiana. Comer bem é parte de ser italiano e a gastronomia, mundialmente conhecida, é um dos principais cartões de visitas do país. E assim como a culinária, o cinema é outra parte fundamental da identidade nacional italiana. Desde o começo do século e da realização dos primeiros filmes italianos, a sociedade e a cultura do país passaram a ser representadas pela sétima arte como em nenhum outro lugar no mundo. O cinema deu novo destaque aos hábitos alimentares italianos e ajudou a propagá-los dentro do próprio país, que, apesar de pequeno, possui inúmeras diferenças entre os grupos que ali vivem, e pelo mundo, expressando de maneira muito fiel a cultura da Itália. O cinema não só ajudou a difundir a gastronomia italiana, quanto ajudou a moldá-la. Sem os magníficos clássicos, a Itália não seria o que conhecemos hoje.

Todos os filmes emblemáticos do cinema italiano tem algum momento central relacionado à comida. Colomba Cicirata, membro da Accademia Italiana della Cucina, afirma em uma publicação na revista Cività della Tavola, número 166, do ano de 2005, que durante o período fascista, o cinema se conteve e evitou exibir cenas de fartura alimentar por irem contra as ideias do regime, podendo incentivar ideias contrárias ao governo da época. Cicirata conta ainda que no pós-guerra, chamado no cinema de neorrealismo, período de grande escassez na Itália, o cinema abordou temas como a fome e o relacionamento difícil com a comida durante os anos de grande dificuldade econômica no país. A acadêmica dá como exemplo o filme “Roma città aperta”, de Roberto Rossellini (1945), cheio de cenas fortes e que enfatizam as dificuldades passadas, como as compras de comida no mercado negro e a distribuição dos alimentos apenas mediante apresentação de um cartão especial para tal fim.

O cinema, sempre acompanhando a sociedade italiana, muda completamente com o fim do período de dificuldades e ganha ares mais alegres. A comida passa a ser representada com abundância, os filmes mostram o progresso italiano e as cenas envolvendo alimentos exploram as relações familiares ou íntimas entre os personagens, ao mesmo tempo em que serve como uma pausa cômica na narrativa. O macarrão é colocado no centro das representações cinematográficas e o sul da Itália vira um tema constante, como nos muitos filmes de Vittorio de Sica.

Os anos sessenta e o milagre econômico italiano trazem mais mudanças no cinema. Comer agora se torna uma atividade de status. A comida é uma forma de demonstrar riqueza e posição social, o que importa é comer com pessoas de prestígio e em lugares da moda. O cinema da época mostra muito bem o novo italiano, que com o milagre econômico se torna mais orgulhoso e deseja mostrar o que tem. Em “La dolce vita” (1960), o grande clássico do cineasta Federico Fellini que ajudou a construir fama de boêmia que a Itália conserva até hoje, a vida dos personagens gira sempre em torno de festas, jantares e figuras importantes, mas, apesar disso, comer não está no centro das atividades e eles raramente são vistos comendo, a socialização é o principal.

Os cineastas dos anos sessenta plantaram a semente do cinema da década seguinte, que passou a questionar tópicos inéditos, como crises existenciais e o propósito da vida humana. A comida então passa a ser usada como um instrumento no questionamento das lutas emocionais e psicológicas do ser humano, muitas vezes os comportamentos alimentares são usados para representar as mazelas do homem e da vida em sociedade. Diversos filmes, como “La grande buffata” (A comilança, em português), de Marco Ferreri, e Novecento, de Bernardo Bertolucci, criticam a miséria humana usando alegorias que envolvem alimentos, como banquetes exacerbados ou a falta de comida, e mostram certa nostalgia da vida passada e no campo. O cinema da época critica a sociedade na qual está inserido, rejeita o presente, e olha para o passado ou futuro com esperança.

O final dos anos oitenta até o presente apresenta uma diversidade enorme de representações no cinema mundial, assim como acontece no mundo inteiro e a comida toma vários papéis que se expandem para algo que vai muitas vezes além da Itália. A comida passa a ser uma grande analogia para o sentimento. É em cenas à mesa que tensões familiares são exploradas, é na comida que memórias passadas se manifestam e é através do ato de cozinhar que limites culturais, de ideias e até linguísticos são transpostos. Como no clássico moderno de Luca Guadagnino, “Me chame pelo seu nome”, em que as cenas à mesa são essenciais para o desenvolvimento dos personagens, assim como a relação deles com a comida.

Itália, cinema e comida, andam juntos e a história do país é escrita para então ser contada pelas lentes das câmaras e interpretada através comida. A história é longa e ainda tem muito pela frente. Afinal é impossível imaginar a Itália sem sua culinária ou seu cinema, e muito menos no cinema italiano sem comida.

Confirma alguns filmes italianos com momentos culinários memoráveis:

  • "Ladri di Bicicleta"(1948)
  • " Un americano a Roma” (1954)
  • “Miseria e Nobiltà” (1954)
  • “Il Gattopardo” (1963)
  • “La dolce vita” (1960)
  • “Amarcord” (1973)
  • "Fantozzi" (1975)
  • "7 chili in 7 giorni" (1986)

Todos os nossos eventos





Outras Notícias



La Camera di Commercio Italiana di Minas Gerais è un'associazione senza scopo di lucro che dal 1995 svolge la missione di promuovere e rafforzare i legami istituzionali e commerciali tra Italia e Brasile. Nel 1998 è stata riconosciuta dal Governo Italiano e da allora fa parte dell'Associazione delle Camere di Commercio Italiane all'Estero, ASSOCAMERESTERO, che a sua volta fa parte UNIONCAMERE (Unione delle Camere di Commercio in Italia).


Per realizzare la sua missione, la Camera distribuisce le proprie attività su due fronti: la prima a servizio delle imprese e la seconda a livello istituzionale.


Nell’ambito dell´assistenza alle imprese, la Camera agisce come un ponte strategico tra le imprese italiane che già hanno oppure cercano rapporti commerciali in Brasile, e per imprese brasiliane interessate al mercato Italiano, offrendo a queste servizi personalizzati per soddisfare le loro esigenze.


Tra i principali servizi resi, si evidenziano seguenti:
- Ricerca partner commerciale e/o produttivo (joint-venture);
- Elaborazione mailing list di importatori/esportatori, grossisti, distributori o rappresentanti etc;
- Ricerca economica preliminare (analisi della concorrenza, prezzi di mercato, canali di sbocco etc);
- Informazioni sulle tariffe doganali per l´importazione in Brasile e le eventuali barriere;
- Ausilio per finanziamento presso le banche locali;
- Ausilio per identificazione di incentivi finanziari e fiscali per la creazione e costituzione di società in Brasile;
- Elaborazione analisi di fattibilità economica per l’importazinoe in Brasile di impianti italiani;
- Elaborazione ed aggiornamento costante di una Guida su Come Investire in Brasile Step by Step;
- Marketing istituzionale e di opportunità d´affari;
- Assistenza nelle relazioni istituzionali e/o commerciali quale ponte tra il mercato e le istituzioni brasiliane e le imprese/istituzioni italiane interessate al mercato brasiliano;
- Gestione di missioni commerciali;
- Organizzazione di agende d´incontri;
- Realizzazione di seminari tematici;
- Partecipazione a progetti istituzionali ed altri.


Verificate il catalogo dei servizi camerali


A livello istituzionale, la Camera agisce come facilitatore delle relazioni bilaterali tra Italia e Brasile, incoraggiando lo scambio di esperienze tra le istituzioni in diversi settori economici. A tal fine, stabilisce importanti partnership con le istituzioni governative brasiliane e italiane, formando una solida rete di collaborazione. Nel suo network figurano il Governo di Minas Gerais, l'Ambasciata d'Italia in Brasile, il Consolato d'Italia a Belo Horizonte, le Segreterie di Stato per lo Sviluppo Economico, Scienza e Tecnologia ed Agricultura, l’Istituto per lo Sviluppo Integrato di Minas Gerais (INDI), il Centro Tecnologico di Minas Gerais (CETEC), la Banca Regionale (BDMG), tra molti altri.



Per saperne di più sui servizi resi dalla Camera di Commercio Italiana in Minas Gerais, non esitate a contattarci:


+55 (31) 3287-2211 - info@italiabrasil.com.br